São Bernardo, * *

COLÔNIA DE FÉRIAS

Vitória contra a cultura do estupro é de todas as mulheres, diz Eleonora

Ex-ministra vence processo contra o ator Alexandre Frota em julgamento do recurso em segun

Por: Administrador - Publicação: 26/10/2017
Roberto Parizotti/CUT Nacional

Roberto Parizotti/CUT Nacional
Imprimir Enviar para um amigo Twitter A+ A-

Por Rafael Silva e Vanessa Ramos/ CUT São Paulo

Num cenário de tantos retrocessos, ao menos desta vez o Judiciário cumpriu seu papel ao reconhecer a cultura do estupro e não culpar a vítima. A ex-ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Eleonora Menicucci, ganhou nesta terça (24) ação judicial movida pelo ator Alexandre Frota, em julgamento do recurso em segunda instância.

Eleonora, ainda ministra do governo da presidenta eleita Dilma Rousseff, fez críticas à entrevista do ator pornô em um canal de televisão, quando ele confessou, em tom de piada, ter feito sexo com uma mãe de santo desacordada. Frota exigia a condenação e uma indenização de R$35 mil.

Após a vitória, ao sair do Fórum João Mendes onde ocorreu o julgamento, Eleonora foi abraçada por mulheres sindicalistas, parlamentares, de movimentos populares e religiosos que estiveram na frente do prédio e promoveram uma manifestação de solidariedade.

Emocionada, ela afirmou que a decisão favorável significa uma conquista coletiva. “Esta vitória é de todas as mulheres. Ela não me pertence, mas a todas as brasileiras. Ela representa a condenação do estupro e a absolvição total das mulheres. Ela saiu de mim. Ela é agora da sociedade brasileira. É uma luta pela democracia, em favor da justiça social, dos direitos humanos das mulheres”, disse.

Aos 73 anos, ela demonstrou o que significa a resistência contra a violência e a cultura do estupro. “Tenho honra de ser uma mulher que já viveu dois golpes neste país e que hoje enfrenta esta luta, em nome de um compromisso com as mulheres brasileiras. Essas que me ensinaram a lutar”, destacou.

A ex-ministra garante que sai fortalecida deste processo.  “Me sinto ainda mais comprometida com a luta pela democracia, pelo retorno do Estado de direito no nosso país, contra o golpe que tirou a primeira mulher presidenta, eleita e reeleita, e contra este clima de ódio que os golpistas instalaram em nosso país. Viva as mulheres brasileiras.”   

Para a vice-presidenta da CUT Nacional, Carmem Foro, não apenas neste caso, mas em outros, o  estupro e os violadores não podem vencer. "Temos voz, vamos gritrar em todos os momentos de nossa vida. Eles jamais irão nos calar", afirmou. 

Violência estrutural

Minutos antes do julgamento, o ator pornô, um dos apoiadores do golpe, foi acompanhado por representantes de grupos de direita que agrediram as manifestantes em sua defesa. A Polícia Militar esteve no local e, ao invés de tranquilizar a situação, fez pressão aos militantes de esquerda.

Secretária de Comunicação da CUT-SP, Adriana Magalhães lamentou a violência neste episódio. “Existe movimentos de direita que são patrocinados. Gente que esteve hoje no fórum, que defende estuprador, que defende intervenção militar no Brasil”, criticou.

A filósofa e teóloga feminista brasileira, Ivone Gebara, também repudiou a violência e fez uma breve análise do cenário brasileiro. “Eleonora denuncia um crime e é acusada porque o denuncia. E o criminoso tenta sair impune. Isso é um testemunho de que a legalidade não funciona no país e que o regime do terror, da banalidade, é que está vencendo, sobretudo na política e nos meios de comunicação.”

Confira abaixo a transmissão feita pela CUT-SP com depoimentos de sindicalistas e de movimentos populares

Agência de notícias da  FEM-CUT/SP
imprensa@fem.org.br

Jornalista responsável: Marina Selerges

Siga-nos: www.twitter.com/femcut
Facebook: www.facebook.com/fem.cutsp

 


Federação dos Sindicatos de Metalúrgicos da CUT/SP (FEM-CUT/SP)
Av. Antártico, 480 - Jardim do Mar - São Bernardo do Campo-SP
CEP - 09726150
Contato + 55 11 4122-7714


Hoje: Visitantes / Acessos