São Bernardo, * *

COLÔNIA DE FÉRIAS

Sorocaba: Campanha Salarial e protesto contra acidentes mobilizam metalúrgicos

Terceirização, livre negociação entre trabalhador e patrão, mudanças na forma de contratação, entre outros pontos da nova lei podem afetar ainda mais a qualidade de vida do trabalhador

Por: Administrador - Publicação: 06/09/2017
Secretário de organização do SMetal, Izídio de Brito, com os trabalhadores da Johnson Controls, durante protesto contra acidentes. Foto: Foguinho/Imprensa SMetal

Secretário de organização do SMetal, Izídio de Brito, com os trabalhadores da Johnson Controls, durante protesto contra acidentes. Foto: Foguinho/Imprensa SMetal
Imprimir Enviar para um amigo Twitter A+ A-

Os dirigentes do Sindicato dos Metalúrgicos de Sorocaba e Região (SMetal) estão conversando com os trabalhadores da base para alertar que a Reforma Trabalhista, que entrará em vigor em 11 de novembro, pode trazer mais prejuízos à saúde do trabalhador.

“Estamos em Campanha Salarial e temos que nos agarrar, agora, à preservação das cláusulas sociais da nossa Convenção Coletiva de Trabalho, que é nossa única ferramenta por trabalho digno”, ressalta o secretário de organização do SMetal, Izídio de Brito.

Mesmo sem a reforma, os índices de acidente de trabalho nas fábricas já vêm aumentando devido ao quadro enxuto de trabalhadores e pressão por alta produtividade.

Durante a assembleia da Campanha Salarial realizada na manhã desta terça-feira, 5, na frente da Johnson Controls, a diretoria do Sindicato dos Metalúrgicos de Sorocaba e Região (SMetal) aproveitou também para promover uma paralisação de uma hora em protesto aos acidentes de trabalho na fábrica.

 

Acidente de trabalho

Nesse domingo, 3, mais um trabalhador sofreu acidente, perdeu a ponta de um dedo esquerdo, do setor de Moto. Com esse registro, nos últimos seis meses, cinco acidentes ocorreram, sendo que em um deles o trabalhador teve o dedo amputado.

De acordo com o diretor executivo do SMetal, Antonio Welber Filho (Bizu), “em junho, os metalúrgicos da Johnson aprovaram, em assembleia, que para cada acidente ocorrido por condições inseguras as atividades produtivas serão paradas por uma hora”.

Subnotificações

Apesar do aumento de acidentes na Johnson Controls nenhum Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT) foi enviado ao Sindicato.

O médico do trabalho do SMetal, Paulo Kaufmann, abriu três CAT´s por acidentes ocorridos no abastecimento de máquinas, no setor de empastamento e na linha de produção. O trabalhador que perdeu a ponta do dedo teve a CAT aberta na empresa, mas o documento ainda não foi enviado ao SMetal.

Kaufmann explica que a CAT é um meio para notificar a ocorrência de acidente de trabalho, de trajeto e de doenças causadas, agravadas ou desencadeadas pelo trabalho. “Sua emissão é determinada por várias leis – CLT, Lei da Previdência, Código Sanitário, Código Civil, Código Penal, pela Convenção Coletiva do Sindicato e pelo Código de Ética Médico”.

Questionado se a Reforma Trabalhista afeta de alguma forma os procedimentos em casos de acidentes/doença ocupacional o médico do trabalho é enfático ao dizer que “afeta sob vários aspectos, entre outros a terceirização. Também as mudanças na forma de contratação, na determinação de horários flexíveis e outros deverão causar prejuízos à qualidade de vida do trabalhador”, pontua.

Campanha Salarial

Totalizando os trabalhadores das empresas Vossloh, Scherdel, Metso Fundição e Johnson Controls mais 1.800 metalúrgicos, aproximadamente, foram informados sobre o andamento da Campanha Salarial, entre ontem, 4 e hoje, dia 5.

Agência de notícias da  FEM-CUT/SP
imprensa@fem.org.br

Jornalista responsável: Marina Selerges

Siga-nos: www.twitter.com/femcut
Facebook: www.facebook.com/fem.cutsp

 


Federação dos Sindicatos de Metalúrgicos da CUT/SP (FEM-CUT/SP)
Av. Antártico, 480 - Jardim do Mar - São Bernardo do Campo-SP
CEP - 09726150
Contato + 55 11 4122-7714


Hoje: Visitantes / Acessos