São Bernardo, * *

COLÔNIA DE FÉRIAS

Luizão: "Não aceitaremos nenhum direito a menos na nossa Campanha Salarial"

Presidente da FEM-CUT/SP participou da passeata no ABC paulista

Publicação: 29/05/2015
Luizão, presidente da FEM-CUT/SP - foto: Adonis Guerra

Luizão, presidente da FEM-CUT/SP - foto: Adonis Guerra
Imprimir Enviar para um amigo Twitter A+ A-

Cerca de 50 mil metalúrgicos pararam suas atividades nesta sexta-feira (29) nas fábricas de São Bernardo, Diadema, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra, em adesão à Paralisação Nacional em Defesa dos Direitos e da Democracia, convocada pela CUT e demais centrais sindicais. Pela manhã, parte destes trabalhadores – cerca de 20 mil – reuniram-se em frente à sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, de onde seguiram em passeata pela Rua Marechal Deodoro, até a Praça da Matriz.
 
Entre os itens da pauta dos trabalhadores estavam o Programa de Proteção ao Emprego (PPE), a adoção da fórmula 85/95 em alternativa ao fator previdenciário e contra o PLC 30 [antigo PL 4.330], que precariza as relações de trabalho.

“A agenda econômica que está sendo adotada é aquela do candidato à direita, que nós derrotamos nas urnas. Não podemos esquecer de pedir que a presidenta Dilma vete o projeto que libera a terceirização total e que, ao contrário, aprove a mudança na Previdência. As MPs 664 e 665 são ruins, pois retiram direitos de vocês. Mas junto com elas veio uma mudança boa, que é a aprovação da fórmula 85/95. A Dilma precisa sancionar este ponto”, disse Vagner Freitas, presidente da CUT, durante a passeata. Vagner conclamou Dilma a ficar “ao lado da massa”.
 
Para o presidente do Sindicato, Rafael Marques, essa manifestação é importante, num momento em que, está em jogo, no País, uma disputa pela agenda econômica e social do governo. “Foi um grande sucesso. Todos em defesa dos seus direitos e querendo o melhor para o Brasil. Os companheiros metalúrgicos, mais uma vez, demonstraram sua capacidade de luta. Ficou claro que os trabalhadores querem a mudança imediata dessa pauta que hoje está influenciando a agenda econômica. Nossa agenda é a do emprego!”, disse.
 

Foto: Adonis Guerra
Nenhum direito a Menos

Luizão, presidente da FEM-CUT/SP, acompanhou toda a passeata e destacou que na Campanha Salarial a Federação não aceitar nenhum retrocesso  nas Convenções Coletivas de Trabalho. "Nas nossas Plenárias Regionais já mandamos um recado para os patrões: Nenhum Direito a Menos", reforça Luizão.

O sindicalista  também disse que os metalúrgicos da CUT sempre foram criativos e ousados e jamais abaixarão a guarda. “Apresentaremos uma pauta de reivindicações com propostas vindas do chão de fábrica. Queremos  ampliar nossas conquistas, jamais admitiremos  retirada de direitos”, finaliza.

A FEM-CUT/SP realizou Plenárias Regionais em Monte Alto, Itu e agora neste sábado acontecerá em Taubaté (30).

Importantes lideranças do ramo metalúrgico metalúrgico e da CUT, entre elas, os presidentes da CUT/SP, Adi dos Santos Lima, e da CNM/CUT, Paulo Cayres, participaram do grande ato no ABC paulista. O ato foi organizado pelo Sindicato dos Metalúrgicos do ABC em conjunto com demais sindicatos da região filiados à CUT.

 

Viviane Barbosa, da Redação FEM, com CUT e Assessoria de Imprensa do SMABC -última atualização 11h20, do dia 30 de maio de 2015

Agência de notícias da  FEM-CUT/SP
imprensa@fem.org.br

Siga-nos: www.twitter.com/femcut
Facebook: www.facebook.com/fem.cutsp

 


Federação dos Sindicatos de Metalúrgicos da CUT/SP (FEM-CUT/SP)
Av. Antártico, 480 - Jardim do Mar - São Bernardo do Campo-SP
CEP - 09726150
Contato + 55 11 4122-7716/ 7718/ 7719


Hoje: Visitantes / Acessos